quarta-feira, 25 de junho de 2008

- Colunista - Do - QuartO -

Nostalgia... mas de que?


Voltar a escrever? quem sabe, acho que deixei faz tempo de ser colunista, volto ao quarto para algo que ainda não sei, como quem abre a geladeira e esquece o que ia pegar. A merda desse esquecimento é que você continua com fome, ou pelo menos com gula, toma um copo d'agua e volta pro pc. Escrevendo pra não cair no esquecimento, pra Dona Lívia não tirar minha foto dali do canto, pra não virar nostalgia. Prometo tentar voltar.


"O espelho e as verdades/ O objeto das vontades// O espelho e as vontades/O objeto da verdade" O objeto - Nina Becker pro 3na massa (www.myspace.com/3namassa).

Fica essa indicação.


Ps: Volto aqui também porque recebi meu primeiro salário, a proprietária do Blog é bem displicente em relação a isso, mas é assim mesmo, vida de brasileiro é foda.

terça-feira, 3 de junho de 2008

Místico

O nariz, a boca, a perna, o chão. Tudo se voltava a um minuto perdido. Quando por instantes nem você se acha, ou não quer. Segura uma folha, amassa, joga...achar que quando você tiver vontade de fazer as coisas, simplesmente deve fazê-las. Sem mais. De certa forma as coisas não pareciam assim. Lapsos, momentos que nos invadem e nos contradizem. Nos coloca em teste. Fecha a janela, fecha a porta, se enfia embaixo da cama, mas as pernas ficam do lado de fora. O nariz, a boca, o braço, um passo. Um atrás do outro. O número, o artigo, tudo em frente. Um semblante se fecha, junto a ele, a visão periférica e num momento desses, ninguém pode saber o que se passa em si, o mundo fica pra trás. A respiração te falta e os dedos formigam. Aquele nervoso, aquela confusão. A velha intimidade. Uma certeza de ter achado algo em quem não está procurando. O nariz , a boca, a coxa e o querer. Uma fumaça tomando forma na mente dispersa. Pura pretensão achar que o pensamento é maior. Total despudor. Sigilo entre as quatros paredes de um corpo. A parte que lhe cabe em um sentimento ateu, e você é Deus. O nariz, a boca, o braço, a coxa...retalhos espalhados pelo chão. Uma colcha, um colchão, dois. Um sentimento ateu.











Voltei :)