terça-feira, 9 de dezembro de 2008

meu.


                          Olha, o que acontece é que às vezes eu tenho saudade. Eu fiquei pensando ontem em como eu queria que você me conhecesse, mas ninguém me conhece, sabe? Acho que eu prefiro manter segredo. Anda tudo tão frio, não se trata nem do morno. A temperatura pré-aquecida anda me causando sensações indesejadas. Falando desse jeito parece até que eu sou meio louca, mas talvez eu seja ou esteja ficando. A gente morre a cada dia, né? Tem gente que nasce morta, morre no meio do caminho, mas eu não quero falar sobre isso. Queria ser mais específica. Dia desses eu tomei um susto que me fez lembrar que aquela sensação de medo e alívio ainda existe. Sabe quando você abraça uma pessoa e isso dói? Porque parece que se você soltar e dexar ela se afastar dois centímetros, ela vai acabar se afastando 5 e mais 10, até que você nem consegue mais vê-la? E quando você não consegue mais vê-la, parece que o amor acaba, cada segundo longe é um segundo sem o amor, é desperdício. Eu não sei porque eu comecei a falar de amor, deve ser por causa do filme que eu vi hoje a tarde. Eu fico abaladíssima com os filmes logo depois que os assisto; dia desses eu quis até me mudar pra um. Eu gosto de pensar que eu escrevo como se você não soubesse disso. Acima de todas as coisas agora eu fico pensando no fim de ano, porque eu adoro fim de ano. Aquelas festas com um monte de gente e roupa nova e bebida e comida.Parece que no fim de ano todo mundo é feliz, mas eu não sei porque, eu fico triste. Negócio mais chato fim de ano. O que eu mais gosto em você é sentir essa dor e saber que me olharás igual e certamente entendes o porque de eu querer morrer às vezes sem motivo aparente. Gosto também de saber que você vai entender o que de fato foi verdade em tudo o que eu escrevi. Queria só lembrar que eu não gosto de mentiras sinceras, nunca as entendi bem e devo dizer que se eu morrer amanhã, indo à praia, pensei em coisas novas pro ano novo. Se nada disso acontecer, pensei em realizá-las, mas isso vai ser trabalhoso. cumprir minhas promessas. Amanhã eu começo a pensar num jeito de você viver mais. Sabe de uma coisa? Eu gosto de ver filme velho sozinha. Talvez, realmente, isso esteja me afetando além do momento seguinte. Sabe, eu tive um gato uma vez...

8 comentários:

Sarinha disse...

sabe que eu adoorei esse texto?!
e sabe que eu to adoorando isso de 'eu' nos seus textos?!
e ei, nao morrerás indo à praia! ¬¬
kkkkkkkkkkkkkkk
te amo, escritora do meu coração! ;*!

o Cronista disse...

aodrei tb, como foi foi criativa, esponanea, taum ingenua em afirmar tanta coisa. poderia comentar mtas coisas, maseu tb num gosto do fim do ano, eu fico triste. bjo

Brunadovinil disse...

Fim de ano é estranho.
Saber que 365 dias se passaram.
Eu sempre penso: o que eu fiz de bom esse ano?
Mas eu gosto do fim de ano.
Sempre passa filmes legais na rede Telecine.

:]
Amo, e foi bom te ver no sábado.
:*

Pan disse...

Quem não gozou pode comentar també. HAHAHA.

=*

Pan disse...

*também

Alan disse...

Muito bom.

× Alice × disse...

Adoro textos escritos assim, com mudanças repentinas de assuntos... Acho que é pq sou assim, meio inconstante!

Xerus
=***

Nelson disse...

mermão...
tô gostando muito de te ler, "duença".

E se a gente morre mesmo a cada dia - e eu acredito que morre - desde que eu entrei aqui eu tô morrendo um pouco mais.

parece um balde de água fria mais um dedo na tomada.

mas é legal. =B