quarta-feira, 20 de maio de 2009

Ninguém morre de amor...



O título do texto foi o que minha mãe me disse no fim do meu primeiro namoro e a vida tratou de me ensinar a duras penas. Antes morresse. Dor de amor chega a ser física. Um amigo disse que a dor é psicológica e nós a colocamos onde queremos, e nesses momentos, nós queremos que doa no peito, até o que nos entala sair. Eis que não é tão fácil assim. Ela pode até ensaiar sair, mas a princípio, ela faz você se arrepender, nem que seja por algum tempo. Talvez seja um castigo por achar que pode tudo ao amar. Deve ser um castigo.
Ouvindo a conversa de algumas amigas no dia do fim do meu último namoro, uma delas falou algo que me fez pensar bastante. Ela disse que tinha grande carinho pelo ex e ele por ela e que ao acabarem, eles ainda se amavam, mas apenas não se queriam mais. Eu acho essa minha amiga tão forte e apesar dela não ser propriamente minha amiga íntima, é alguém por quem eu tenho carinho. Ela me faz ter vergonha de falar mal do amor. Só quem sabe dizer adeus ao bendito, mesmo que seja difícil, na hora certa, e está aberto a dizer um "Olá" quando ele resolve voltar, entende o que é isso de verdade, sente e percebe o que é amar. A verdade, por mais piegas e tediosa que seja, é que nós aprendemos com tudo. Eu, rumo aos meus vinte anos, carrego dois ex namoros na minha memória afetiva.
Da primeira vez, eu achei que fosse morrer, com toda certeza. Inclusive, parecia que eu iria morrer, por isso a frase da minha mãe. Eu me esgoelei na madrugada, perturbei amigos, estourei a conta de telefone, tudo em busca de conforto. Tudo porque eu não sabia dizer adeus ao amor. Dizem que o primeiro amor a gente nunca esquece e eu tenho vários motivos pra nunca esquecer o meu. Ele foi meu céu e meu inferno. Me fez amar e me sentir amada. Me deu o primeiro prazer de palavras lindas e todas as outras coisas lindas que o sentimento traz. Tudo bem que depois me deu bastante dor de cabeça, me ensinou a não abrir a boca para quem diz ser seu amigo e me ajudou a entender que num ex namoro, menos é mais. Um ano depois de muitos acontecimentos e desentendimentos nunca resolvidos, esse relacionamento veio me mostrar que tudo passa, de verdade, e um dia, a gente quer, com mais verdade ainda, que pare de doer. Eu, amargurada, achando que a partir daí, seria dona do meu coração, caí novamente nessa conversa de amor. Eu me apaixonei de novo e, de certa forma, pude ver que há recomeço em tudo. No meu segundo namoro, eu aprendi que eu não posso nunca ter medo de ficar só. Aprendi que namoro é paciência, mas é tão bom olhar pro outro com carinho, sem que ele esteja olhando, apenas para contemplar. Aprendi que amor é só uma palavra, e mesmo que ela nunca tenha sido falada, não quer dizer que ela não tenha sido sentida. Esse é o importante, certo? sentir as coisas. A prendi que é preciso reconhecer o fim, que tudo resume-se ao gostar e a sua insustentável leveza foi demais pra mim. Aprendi que eu estou pronta para um amor lindo e já nem me importo que ele venha a terminar. Aprendi que tudo o que eu faço é na vontade de ter um amor de verdade, pois é, daqueles recíprocos. Pra ser bem sincera, com esse segundo, ainda estou aprendendo.
Sabe, foram namoros curtos, e por algum tempo, vão me fazer querer ficar só, pela problemática vir-a-ser, mas eu espero que eu não consiga. Semana passada, li numa coluna uma citação de Neruda: "Para que nada nos separe, que nada nos una" Ahhh...mas o melhor de tudo é ficar unidinho, mesmo que acabe, mesmo que mude.

13 comentários:

crap disse...

eu já não sei o que esperar do amor. amiga minha me fez pensar e amigo meu me fez pensar, se ele acabava. acaba, ssa porra. tudo o que é bom acaba. e tudo o que é bom volta. a única coisa eterna é a incerteza.

live and learn
with your life
find a way out of madness
you dream of
paradise
who's gonna take you there?

Anônimo disse...

eita, puta texto bom.
O tainan, eu =D

Tati. disse...

=~~~~
que chato isso =~~
num sei nem o que dizer direito =~~
legal q vc citou a insustentavel leveza :x
tb acho que o importante é sentir as coisas.
enfim, agora é respirar e quando possivel prender a respiraçao de novo... rsrs
nao to sendo muito clara mas tb nao se o que devo dizer :/
espero q td fique bem com o tempo.

Sarinha disse...

Eu acho que vc cresceu, sabe?! E vou te dizer melhor isso na cartinha que to escrevendo! (sei que a cartinha vai chegar antes de vc ler esse comentário.)
Você é extremamente linda, vei. De todas as formas... você sempre sabe o que falar e na hora que falar.
E isso de amar é complicado. ôô como é... eu sei que doi. uma dor física mesmo. mas eu sei que passa. ninguem morre disso, ne?! e eu sei tb que ainda temos muito que aprender.

to aqui. te amo! :*!

Natália Franco disse...

"Aprendi que eu estou pronta para um amor lindo e já nem me importo que ele venha a terminar. Aprendi que tudo o que eu faço é na vontade de ter um amor de verdade, pois é, daqueles recíprocos."


Adorei Ídola!!
=D
E sabe, eu ainda tô aprendendo também...eu sofro, pode me chamar de masoquista, mas eu não me importo em quebrar a cara! Vale a experiência, o "eterno enquanto dure"...
Acabei de quebrar a cara, doeu! Demorou um tempinho, mas já me levantei e agora caminho para o próximo muro...
fazer o que?! O meu coração não quer ficar quieto...ele quer emoção, rebuliço, bater fora de controle...Eu vivo de paixões (em seu sentido mais amplo), e são elas que me fazem viver!!

=)

Janaina M. disse...

Já tava demorando prum novo post. Adoro vim aqui ler e me identificar com as entrelinhas.
"Dizem que o primeiro amor a gente nunca esquece e eu tenho vários motivos pra nunca esquecer o meu. Ele foi meu céu e meu inferno."

No final, é tudo pelo amor. Ou pela vontade de um. Enfim.

Xero.

Ludmila disse...

"maior amor, nem mais estranho existe / que o meu, que não sossega a coisa amada / (...) e que só fica em paz se lhe resiste / o amado coração, e que se agrada / mais da eterna aventura, em que persiste / que de uma vida mal-aventurada". (Moraes)

dor de amor é física, sim. é um oco pesando no coração da gente. é um estágio momentâneo de inanição. mas passa. esses sentimentos se esvaem, e nem por isso perdemos a coragem de amar de novo. amar é contraditório demais, vc sofre, mas se sente vivo...

lindo e sincero texto! :*

Hugo Leão disse...

Disse tudo Lívia...
"Da primeira vez, eu achei que fosse morrer, com toda certeza."
Somos dois...

Mas a gnt sempre supera. E msm nao sendo tãããão amigo assim, sei oq vc ta sentindo...

=)

Bjoo

Clauderlan Vilela disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
darsh. disse...

achei esse texto tão maduro.
bem diferente do que vc escreveu no término do primeiro namoro.

isso me faz crer que no fundo você está bem.
e espero que sim, de verdade.

sinto sua falta.

Estêvão dos Anjos disse...

Bateu saudade!

Realmente se superou... percebece-se um amadurencimento, texto lindo, cheio de frases bonitas e silêncios falantes..

:***

Nelson disse...

"Esse é o importante, certo? sentir as coisas."

é por aí.

ia escrever um comentário maior.
mas resolvi fazer dele um texto.
oh sim!
a vida é assim mesmo.
hahahahahaha

=*

Mila disse...

O final me lembrou uma música do Bidê ou Balde:
"É sempre amor mesmo que mude
É sempre amor mesmo que alguém esqueça o que passou"
Adoro!