segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Fura o dedo, faz um pacto comigo.

- Você quer bancar a forte.
- Eu quero, eu banco.
- Você só esquece de todo o resto.
- A única coisa que ninguém pode me acusar é de esquecer coisas. Infelizmente, eu nunca esqueço absolutamente nada, de nenhum detalhe estúpido.
- Eu vou amar você, ou qualquer outro nome que você queira dar a esse sentimento, até o dia em que eu não te amar mais.
- Lembra daquele dia em que o sol refletindo no seu cabelo cegou meus olhos e me fez perceber o quanto sua voz é linda, além de todo o resto?
-huumm, sim.
- Então, são momentos assim que me fazem não pensar no fim. Eu não me importo, meu bem.