segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Era como se eu fosse morrer.

Meus olhos doiam como se facas fossem enfiadas neles durante todo o momento, e eles cuspiam um certo líquido que meu coração enviava fora de mim. Era simplesmente minha alma pedindo para que eu finalmente fosse enviada ao lugar de onde vim...Não, era só tristeza, mas eu tinha a mania de querer morrer por coisas inimagináveis. E se fosse só sentir saudade, mas vem sempre algo mais. Eu te perguntei como você conseguia me deixar sozinha, quando eu mais precisava de você, quando eu não sabia nem qual era o meu nome, e o que eu queria da minha vida, e você disse que talvez você não me quisesse mais, então eu quis morrer. Você disse 'vai passar' e eu só quis que passasse com você...Eu não sei mais o que dizer, mas às vezes a única coisa que eu quero é o silêncio do telefone, eu não me sinto mal, não tenho agonia alguma...eu me sinto menos só, menos pozinho. Só isso...Você se foi e agora eu choro só, sem ter você aqui. Eu e bethânea, e roberto....todos na minha cabeça, chorando canções que sangram e que me dizem 'já é hora de crescer e aprender a amar'. Eu deito na cama, molho o rosto com outra leva de lágrimas salgadas como o mar, e penso que talvez eu ainda pudesse salvar os atuns. Um amigo me diz: 'eu te amo, fique bem'. Deito e olho para a única fresta de luz a entrar no quarto...ela vai sumindo e eu durmo, sem querer que o dia amanheça. Eu vou ficar bem.